O Frontispício da cidade do Salvador – conhecida como a cidade de dois andares -, está inserido na poligonal tombada do Centro Histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e reconhecida como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).  Atualmente essa paisagem apresenta perda de vegetação, assim como as antigas fontes de abastecimento de água necessitam de serviços de manutenção, em decorrência das ocupações irregulares desses espaços.

 

O projeto de recuperação do frontispício envolve duas etapas. A primeira já foi implantada em novembro de 2020, contemplando uma extensão de 1,1 quilômetros, delimitada pelo cruzamento da Ladeira da Montanha e Rua Pau da Bandeira, Elevador Lacerda e a Ladeira da Misericórdia. A intervenção envolveu os serviços de paisagismo, recuperação da muralha existente e das muretas, consolidação e estabilização estrutural, além da requalificação do belvedere e a praça do Coati, na Ladeira da Misericórdia.

 

Com projeto em desenvolvimento na Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), a segunda etapa é delimitada pelas Ladeira da Misericórdia, Pilar, Tabuão, Carmo, Santo Antônio, até a Ladeira da Água Brusca, com área aproximada de 82.424 metros quadrados. Serão realizados serviços de recuperação ambiental da encosta com mata nativa, a restauração de cinco antigas fontes de abastecimento de água e a manutenção de seis mirantes voltados para a Baía de Todos os Santos. Também está no projeto a recuperação das ruínas e do conjunto arquitetônico da Ladeira da Misericórdia/Coati para implantação do Centro Cultural Lina Bo Bardi, melhorias da Ladeira da Misericórdia, procedimentos para mitigação das áreas de risco e, implantação de sinalização turística/patrimonial e iluminação cênica.