Antecipando o projeto de requalificação urbanística e habitação popular em elaboração pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF) em parceria com a comunidade do Pé Preto, no bairro da Santa Cruz, o prefeito Bruno Reis, assinou nesta sexta-feira (25)., a  ordem de serviço para o início das obras de uma ampla praça com 6,1 mil m², que será construída no local com o intuito de promover mais desenvolvimento, recreação, fortalecimento de vínculos e a convivência entre os moradores da região. 

O prefeito lembrou que foram realizadas diversas reuniões com lideranças, a fim de escolher o melhor para toda a comunidade. “Uma das demandas foi a implantação de uma praça que pudesse se somar ao campo de futebol e área de futevôlei. É mais uma etapa do que chamamos de Complexo Pé Preto, que envolve a reconstrução da Escola Municipal Anita Barbuda, o campo Três Corações e a praça, além do conjunto habitacional para os moradores daqui. A escola já está sendo demolida e vai ser ampliada, com investimento de R$8,5 mi e tudo o que há de melhor, sem deixar nada a desejar às unidades de ensino privadas de Salvador”. 

 

A presidente da FMLF, Tânia Scofield, explicou que a intervenção representa uma grande transformação para a comunidade, composta por mais de 300 famílias que vivem em condições de extrema precariedade. “As casas são construídas a partir de resto de material, sem água, esgotamento sanitário ou qualquer infraestrutura que garanta a mínima condição de vida digna. Então, vamos promover uma transformação nesse sentido de trazer mais dignidade para quem vive neste local".  

O auxiliar de serviços gerais Rodrigo Conceição, 36 anos, nascido e criado na região, tem expectativas positivas para as mudanças estruturais propostas pela Prefeitura. "Aqui sempre foi um ponto de lazer, que nunca teve grande atenção do poder público. Hoje, com a proposta de requalificação, a esperança é ter um espaço mais bonito, com área para as crianças se divertirem, boa iluminação, praça e um campo de futebol para o bem da comunidade. É uma melhoria para todos daqui, é a realização de um sonho”. 

A nova intervenção terá investimento de R$1,8 milhão e antecipa o projeto de requalificação urbanística e habitação popular que a Prefeitura, através da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), está elaborando para o entorno. A Praça do Pé Preto tem prazo de quatro meses para conclusão e prevê melhorias do campo de futebol de barro existente, através da execução de serviços como recuperação de alambrado e de traves, pintura, terraplanagem e colocação de tela de proteção. 

 

Também serão implantados uma nova quadra de areia para a prática de vôlei e futevôlei, parque infantil com diversos brinquedos para a criançada, estação de musculação e academia da saúde equipadas com simulador de caminhada triplo, rotação diagonal e vertical triplo, multi-exercitador, remada sentada, esqui triplo e alongador com três alturas.  

Para estimular a economia local, a Prefeitura construirá seis boxes para atividades comerciais. A praça também terá trechos em piso intertravado e em concreto, gramados e mudas de árvores, rampas de acessibilidade, sistema de drenagem, bancos e iluminação em LED. 

Próximas ações – Bruno Reis ressaltou ainda que a próxima etapa do Complexo Pé Preto envolverá o cadastramento dos moradores para o desenvolvimento de um projeto executivo para implantação do residencial. O processo durará seis meses e, em seguida, será realizada a licitação para construção dos imóveis. A iniciativa é semelhante ao realizado nos residenciais Guerreira Zeferina (Periperi), Loteamento Mar Azul (Tubarão) e Mané Dendê (Ilha Amarela). 

“Quando iniciarmos o residencial todos aqui vão viver com mais dignidade, com saneamento básico e conforto. A comunidade daqui carece de um espaço de lazer e a gente precisava fazer essa grande intervenção. Vamos mudar a realidade de todos aqui como mudamos a de muitas outras áreas na cidade”, completou o chefe do Executivo municipal.

 

Fotos: FMLF e SECOM