Quem foi Mário Leal Ferreira?

 

 

Baiano de Santo Amaro da Purificação, Mário Leal Ferreira, foi um engenheiro sanitarista, responsável nos anos 1940 pela proposição e coordenação do Plano de Urbanismo da Cidade do Salvador (EPUCS). Ao longo da carreira profissional acumulou várias graduações e especializações e desempenhou funções técnicas e acadêmicas, destacando-se em ambos os campos. Engenheiro geógrafo graduado em 1914 pela Escola Politécnica da Bahia, em 1928 também se forma em engenharia civil pela Escola Nacional de Engenharia no Rio de Janeiro. Com passagem pela Alemanha durante os anos de 1922 a 1924, teve seu interesse despertado pelo tema Higienização de Cidades, sobre o qual aprofundaria estudos posteriormente.  Entre 1930 e 1932 fez curso de Engenharia Sanitária e Sociologia na Harvard University (Massachusetts, E.U.A.), como estudante graduado da Rockfeller Foundation. De volta ao Brasil, entre os anos de 1933 a 1942, foi funcionário público federal como engenheiro sanitarista e professor da Escola Nacional de Engenharia, lecionando nas cadeiras de Higiene Industrial e de Edifícios, Saneamento e Traçados das Cidades.

 

Já bastante conceituado como sanitarista, após desempenhar cargos importantes no Governo Federal na gestão do Presidente Getúlio Vargas, retorna à Bahia na década de 1940 para apresentar um plano de urbanismo para a cidade de Salvador como alternativa à proposta defendida pelo francês Alfred Agache, especialista em planejamento urbano responsável pelo primeiro plano diretor do Brasil, o "Plan Directeur" do Rio de Janeiro em 1930.  A proposta de Mário Leal Ferreira, influenciada pelo urbanismo progressista de Le Corbusier e pelas ideias do urbanista e biólogo escocês Patrick Geddes, concebia o planejamento como um processo e rejeitava a adoção de modelos, não concebendo uma “cidade tipo”, mas tantas cidades quantas a realidade apresentasse. Esse fundamento favorecia a concepção de um urbanismo adaptado à singularidade histórica e geográfica de Salvador.

 

Aprovada a proposta pela municipalidade, o Escritório do Plano de Urbanismo da Cidade do Salvador (EPUCS) começa a funcionar em abril de 1943 comandado por Mário Leal Ferreira. O Plano de Urbanismo da Cidade de Salvador, ou o Plano do EPUCS como é mais conhecido, deixou como legado importantes soluções para problemas que Salvador apresentava em diversas áreas, entre as quais se destaca o sistema de avenidas de vale conjugando o transporte individual, o transporte coletivo, as redes de esgoto e os canais de drenagem. Os resultados do planejamento foram parcialmente apresentados ao então prefeito em 1946, no prazo originalmente previsto para a conclusão.  A complexidade dos trabalhos resultou em sucessivos adiamentos. No dia 11 de março de 1947, ainda no decurso dos trabalhos, morre Mário Leal Ferreira em razão de problemas gástricos, assumindo o comando do EPUCS o arquiteto Diógenes Rebouças.